Cacica Kerexu Yxapyry recebe Medalha Zumbi dos Palmares como reconhecimento às lutas contra o preconceito

cacica-2 Madalena Giostricacica-2 Madalena GiostriS1640105 Elaine Tavares
Cacica Kerexu Yxapyry recebe Medalha Zumbi dos Palmares como reconhecimento às lutas contra o preconceito
Entre os 10 homenageados, a líder indígena do Morro dos Cavalos, recebeu a honraria com muito respeito. “Receber a medalha é um peso pelo histórico e coragem do Zumbi dos Palmares”, declara a líder

Por: Ana Carolina Peplau Madeira (Texto)

A líder indígena Eunice Antunes, mais conhecida como Cacica Kerexu Yxapyry, recebeu a Medalha Zumbi dos Palmares, nesta quarta-feira, 18/11, no Plenário da Câmara de Vereadores de Florianópolis. A sessão solene foi presidida pelo vereador Pedro de Assis Silvestre, PP.

Nascida em 1979, no interior da terra indígena Xapeco, morou na região metropolitana de Curitiba/PR e retornou a Santa Catarina, após dificuldades e se instalou em Tecóa Massiambú. Em 2003, com Ensino Médio concluído, lecionou na Escola Indígena do Morro dos Cavalos. Cursou magistério Bilíngue Guarani. Em 2011, ingressou no Curso de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, pela UFSC, onde formou-se em 2015. Ainda em 2012, foi eleita pela comunidade indígena como Cacica, da Terra Indígena Itaty, no Morro dos Cavalos (Palhoça/SC).

Eunice recebeu a medalha das mãos do vereador Lino Peres. Depois de ter passado por diversas ameaças como resultado da demarcação das terras indígenas, a professora guerreira foi uma das 10 personalidades homenageadas. “Receber a medalha é um peso pelo histórico e luta do Zumbi dos Palmares. Sabemos o quanto ele quebrou protocolos e foi contra o preconceito. Ela (a medalha) representa que ele não morreu, é eterno nos nossos corações. E fortalece também nossa luta. Me sinto muito honrada”, declara a cacique.

No ano de 2013, houve várias manifestações de cunho racista, organizadas por pessoas e movimentos contrários à demarcação e homologação das terras indígenas, que, por não conseguirem barrar o processo nas esferas administrativas e judiciais, iniciaram ameaças e agressões, espalhando boatos para incitar os contrários à posse das terras pelos indígenas. Em 19 de fevereiro de 2013, a adutora de água que abastece a comunidade foi destruída por 38 cortes. Em janeiro de 2014, a comunidade indígena sofreu mais uma violência: novamente a adutora de água que abastece a comunidade indígena foi cortada, fato que se repetiu em 15 de dezembro de 2014.

No início de 2015, as ameaças de morte e a perseguição à cacica reiniciaram com grande intensidade, movidas pela decisão judicial que reconheceu a terra como sendo dos Guarani. Nos últimos meses, depois de episódios de graves ameaças contra moradores da aldeia, Eunice teve que registrar Boletins de Ocorrência. Apesar das ameaças, ela permanece firme no propósito de ver a terra indígena garantida para o seu povo. Vários índios acompanharam a sessão com cartazes contra a PEC 215.

O vereador Augusto Luiz Fernandes Junior, mais conhecido por Juninho Mamão, PSB, comentou que a medalha relembra a luta de Zumbi na libertação do povo. “A cultura escravocrata e o processo de libertação deixaram sequelas profundas, que perduram até hoje. Quando falamos dessa luta, fala do direito do índio, das mulheres, dos portadores de necessidades especiais, dos idosos, dos Direitos Humanos. Nossa luta é muito abrangente”, resume Juninho Mamão.

Um dos homenageados com a medalha, foi o criador da honraria, ex-vereador Márcio José de Souza. Neto de escrava, que morreu aos 104 anos, teve seus mandatos marcados pela superação e aprendizagem. “É uma questão que interessa a quem quer uma população livre e democrática. Cada um dos homenageados leva no peito Zumbi, cada um é quilombola, lá nas suas casas, famílias, entidades, exercendo a consciência da liberdade. É bom ver tantos premiados diferentes hoje. Zumbi sonhou pela pluralidade”, declarou Márcio de Souza.

A Medalha Zumbi dos Palmares homenageia pessoas e entidades que realizaram relevantes trabalhos ou destacaram-se no combate a qualquer tipo de discriminação e preconceito, na defesa dos princípios fundamentais da Constituição Brasileira e na promoção da vida, e integra a semana alusiva ao Dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro).

A coordenadora municipal de Políticas Públicas para Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura de Florianópolis, Flávia Helena de Lima também teve sua trajetória destacada, na tarde de ontem. Da mesma forma, as professoras Sônia Santos Lima de Carvalho e Jeruse Maria Romão, esta última também lembrada por ser a segunda assessora negra da casa legislativa. Músicos tradicionais receberam a medalha como o sambista e atleta Altamiro José dos Anjos, mais conhecido como Dascuia, o pessoal do Grupo Senti Firmeza, do Grupo de Samba Liberdade, o membro conselheiro do Grupo Carnavalesco Esculhambloco de Jurerê, Anilton Sandro Machado e a Associação Beneficente São Dimas (ASBEDIM).

Postado em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*